Felicidade

quarta-feira, 22 de agosto de 2012 3 comentários

Felicidade

          Quem sabe os homens em toda sua estrutura física encontrem uma brecha em sua razão e entendam de vez os sentidos da vida.


O sorriso é a expressão oficial da alegria, é o melhor que cabe em teu rosto



Se perguntarem em que canto se esconde a felicidade, talvez surjam inúmeras argumentações cheias de complexidades, fragmentos e citações de respeitados filósofos, frases de pensadores e poetas, a engenharia de tantos pensamentos percorrem distantes do sentido real, não venho trazer uma verdade absoluta, doravante revelar o correto, se me perguntarem em que canto se enfiou a felicidade, a resposta seria na simplicidade. Às vezes para encontrar a solução de um grande problema é preciso simplifica-lo, trata-lo como algo simples para encontrar resposta, quando a maioria de nós tem o incrível dom de transformar coisas simples em tragédias.
O quanto mais distante das coisas simples nosso caminho estiver estaremos mais distante dos momentos felizes, Freud dizia não haver felicidade plena, apenas momentos de alegria, também é o que a maioria dos jovens contemporâneos acreditam, mas os momentos compõem toda uma estrutura, totalizando o geral da vida, se alguém perguntar: Você é feliz? A resposta, sim ou não, virá depois de uma análise completa de todos os momentos vividos, eu então quero que a maior parte do meu tempo seja composta dos momentos felizes para que a resposta seja sim, embora às vezes podemos não ‘estarmos’ o que não muda a realidade de ‘sermos’. Algumas pessoas têm repudio a felicidade, isso também é fato, existem pessoas que necessitam de criar situações conflitantes e desagradáveis  pra continuar a vida, gente que não se acostuma a ser feliz.
Discutir felicidade é peculiar demais, não há uma fórmula universal, o que para alguns felicidade está em altas finanças para outros está em coisas pequenas, de fato a felicidade é um sentimento impar, cada pessoa impõe suas condições a si mesmo para ser feliz. Na voz do poetinha, Vinícius de Moraes, sabemos que “é impossível ser feliz sozinho”, em outro texto eu havia dito que a felicidade está nas pessoas, e realmente está como, por exemplo, um bom pai de família pode gerar grande alegria em toda casa, assim também como um péssimo pai pode criar grande tristeza em casa, como um amor não correspondido pode gerar profunda angústia, assim como um correspondido pode causa tremenda alegria, a felicidade está nas pessoas assim como está em cada um, assim como está em objetos, assim como também não está, por isso felicidade é bastante peculiar, sobretudo é satisfação pessoal.
A felicidade é a segunda filha da vida, a primeira é a dor e depois a alegria, é uma menina meiga e mimada, mas que tem bondade no coração, ela se achega quando bem tratada, mas quando tratada com brutalidade e mau humor corre assustada, as vezes demora pra voltar.
Felicidade não é um instante em que se sente bem e sorridente por participar de algo divertido, isso é um momento de descontração do espírito, felicidade é constância, é ter a certeza de que amanhã estará feliz. Pra mim pessimistas são pessoas que pararam de amadurecer depois da puberdade e acreditam que atingiram seu apogeu e por isso nunca vão aprender o que é ser feliz, em um dos episódios da famosa serie Dr. House (que particularmente meu vicio em assistir me faz feliz) o médico disse: “Pra você querer ser feliz é preciso aprender ignorar muita coisa” e de fato, pense em uma criança que sofreu a vida inteira no meio da pobreza, em que tempos lhe faltava alimento e teve que trabalhar cedo para ajudar em casa, essa criança na vida adulta cresce cheia de traumas e complexos, mas se casa, constitui uma família, não se esquece da infância, mas ignora as sensações que sentia e se força a não se lembrar dos piores momentos, o que psicologicamente é possível.
Bem, assim como em outros textos que ‘resolvo’ falar de um assunto tão pessoal a todos, termino assim, por terminar, meio sem fim, porque assuntos como esse é pra reflexão e prática, não cabe o final em algumas palavras. 



3 comentários:

  • Nair Pessoa disse...

    Realmente, meu amigo. Felicidade é um assunto bem polêmico. Até porque SER feliz é diferente de ESTAR feliz. Quem É feliz não precisa associar sua felicidade a bens materiais; assim, pouco se importa com os momentos de dor e tristeza que estão diretamente ligados ao TER. Você então pode perguntar: E a dor de perder alguém para a morte? Eu te respondo: Quem é feliz, assim continuará pois tem sempre a esperança do reencontro na espiritualidade; quem nisso não acredita vive a sofrer no seu egoismo de TER aquela pessoa ao seu lado mesmo sabendo que ela poderia estar sofrendo num leito.
    Continue escrevendo!!! TE GOSTO MUITO! Bjs

  • Anônimo disse...

    Excelente texto!alias͵como tudo que vc escreve ne?continue assim͵vc vai longe! ((: /izadora sahium.

  • Fred Goulart disse...

    Ótimo texto, concordo com suas palavras, adorei a parte em que diz que a felicidade não é um momento. Há coisas que trazem felicidades, mas podemos escolher se como pessoas, teremos e levaremos a felicidade.

    :D

    Mais tarde de uma passadinha em Muchas Coisas:
    http://muchascoisas.blogspot.com.br/

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB