Pular para o conteúdo principal

O Verbo

O Verbo é uma criança sábia que não cresce 

O que me faz andar é o verbo
O que me faz correr é o verbo
O que me faz sorrir é o verbo
O que me faz chorar é o verbo

Faz-me escrever é o verbo
O que me faz cantar é o verbo
O que me faz te amar é o verbo

O que me faz mover é o verbo
No “infinito”, no “infinito”
No azul do céu bonito

No verbo eu vou eu sou
No verbo eu sou eu vou
Faz-me voar é o verbo

Epifânia não é verbo
Mas me faz mudar é verbo
No “infinito”, no “infinito”
No azul do céu bonito

O que faz morrer é verbo
Porém, depois não há mais verbo
O Verbo fez, o Verbo faz
O Verbo desfez, o Verbo desfaz

O primeiro verbo é nascer
O ultimo verbo é morrer
Paradoxo não é verbo

O que me faz te olhar é verbo
Poder te abraçar é verbo
Faz-me te beijar é verbo
O mundo girar é verbo

Faz-me te amar é verbo
No “infinito”, no “infinito”
No azul do céu bonito.

Comentários

  1. Poeta Ronaldo, a pouco escrevi em outro comentário que escreves com coração e alma.
    Acrescento aqui + o verbo e sua inteligencia suprema.
    Parabéns!!!
    BeiJaness neste coração de luz.
    Jane Di Lello.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

Postagens mais visitadas deste blog

Agrura

Confidências de traição Sussurros na escuridão E lágrima solitária caía
O começo de sua maldição Lembranças de uma ilusão Enquanto ali sentado ele apenas via A vida passar
Sentimentos de confusão Lhe perturbam o coração E a alma tão escondida vazia
A alegria em morbidão Fragmentos de uma paixão Enquanto ali bebendo ele apenas via A vida passar
Seu algoz eram suas mãos Só errava em cada decisão As lembranças só lhe causavam grande agonia
Seu tormento em profusão Derrotado em seu próprio chão A esperança morta em seus braços E ele nem sabia
Enquanto ali parado ele apenas via A vida passar

O silêncio era um grito então O seu corpo escória e prisão Da alma moribunda que já nem sentia
Mergulhado em sua solidão Pensamentos de aflição Agonizando no peito a alegria
Enquanto ali chorando ele apenas via A vida passar
Palavras não curavam A dor que ele sentia A morte lhe tentava  Mas o orgulho lhe impedia Então quis rezar E acreditar Que Deus ouviria

Minha menina

Por traz desta nuvem cheia de raios Existe um olhar Cheio de lágrimas
Sorriso maduro, um céu de veludo O sol se põe a descansar E minha menina vem dançar Na chuva
Vai que o mundo é Teu Gira sem se preocupar As águas que caem Lhe molham o rosto E levam as lágrimas
Por traz dessa esfera Menina tão bela Existe um coração a palpitar
Se lança no escuro, não se sabe o rumo Tem medo, precisa se arriscar Minha menina Sozinha
Vai que teu segredo é meu Vai que eu fico a te esperar As águas que caem Levam teus passos Mas não levam o meu olhar
Os passos são dela A vida que espera Minha menina vai buscar
Não olha o passado, não vê nada errado Há dores que tem que carregar Minha menina Partiu
Vai que teu sorriso é meu Vai te espero se voltar As águas que caem Molham teu corpo Levam minhas lágrimas.

Lembranças

Este texto só dará certo se você ainda lembrar
Quero voltar na noite em que te conheci Quero voltar e viver as emoções que senti Quero voltar no momento onde toquei tuas mãos E beijei tua face pela primeira vez
Quero voltar no momento onde entrei no teu olhar Quero voltar quando o meu sorriso respondeu ao teu Quero voltar onde disse pela primeira vez: amo você
Deus escreveu nossa história nas linhas do tempo E resolveu publicá-la Em nossos corações
Onde as muitas águas não afogam Onde as chamas não consomem em fogo Onde não se perde com o vento e tempo Onde o homem não rouba nem mata
Acordei com o sabor de lembranças amargas e alegres na boca: Pudim de limão!
É sempre bom lembrar, olhar para trás nos faz comparar passado e presente e ver o quanto amadurecemos, também é bom pra idealizarmos o futuro pra entender o quanto ainda precisamos nos aprimorar, ver e entender todo o desenvolvimento da nossa vida, identificar a gradação de nosso destino e talvez aumentar nossa fé nos sonhos de fu…