Sentir é a Potência, Pensar é o Ato

quinta-feira, 6 de setembro de 2012 0 comentários

Crianças Geopolíticas assistindo o nascimento do Novo Homem - Salvador Dali


Este quadro de Salvador Dali, do qual sou um grande fã, foi feito em plena Segunda Grande Guerra, onde imaginou-se que após a Guerra surgiria um novo mundo e com este mundo um novo homem, é otimista.
Se observa que a pessoa já nasce adulta, a criança que assiste fica assutada e a mulher que aponta para o nascimento e ao mesmo tempo esquelética e musculosa, numa expressão de visão de uma ameaça e espanto, não de alegria. O ovo é o próprio mundo, isso é claro, o ovo quando inda na galinha tem a casca mole, só enrigesse após contato com o ar, o ovo pela fertilidade em si, e nota-se o derretimento dos continentes, bom, que cada um construa sua análise, pra mim, por mais que tenha sua expressão claro, a Arte e o Belo sempre vai ter algo subjetivo.




Pelo passado

Por aquilo que somos,
Pelo o  que nos tornamos,
Pelo o que iremos tomar,

Por aquilo que vimos
Pelo o que tínhamos
Pelo o que tiramos do lugar

Pela fé perdida
A esperança consumida
Pela fome do olhar

Pelo leite derramado
Pelo desejo matado
Por não ter o que falar

Por tudo que foi dito
Por tudo esquecido
Pelo esforço de melhorar

Pela vida que foi
Por dia sem cor
Por uma bebida no bar.

Sentir é a Potência, Pensar é o Ato
Sentir é a essência, Pensar é a forma


"Conheça-te a ti mesmo."

      Pensamos nos diferenciar de todas as outras criaturas vivas, claro todas são diferentes, sistema ósseo, nervoso, sanguíneo, respiratório, simples anatomias, mas colocamos a raça humana no topo da pirâmide, claro que colocaríamos, isso se deve por nossa capacidade de pensar, (óbvia redundância, mas foi necessária pra entender o final) quando não é este o profundo motivo, é o mais superficial e de fácil compreensão e aceitação a todos, mas não é o raciocino é o sentimento, é poético demais pra parecer verdade, mas é assim, num extremo conceito psicológico e biológico somos todos apenas objetos de reprodução, simples genitores da mãe natureza na formação e formulação do meio ambiente, embora com nossa capacidade de raciocinar alteramos o ecossistema,  de fato destruímos comunidades, ecossistemas, alteramos biomas e hoje temos que construir reservas para preservar aquilo que nós mesmos degradamos.       No que mudamos fomos movidos por sentimentos, o desejos de praticidade e comodidade, as vontades de suprir luxos e prazeres nos levaram a invenções, a modificar o planeta.
        Nosso raciocínio foi sempre movido por impulsos de nossos sentimentos, como atribuímos muitas vezes em nossos textos românticos que a alma guarda toda beleza e o amor, entre outras análises poéticas, Platão dizia que a alma é o inconsciente, ora, sabemos é a nossa parte mais racional, mais inteligente que o consciente. Compreendemos, então, que não nos diferenciamos por pensar, não se sabe se animais pensam ou agem exclusivamente por instintos, embora já houve uma época que nossa consciência era tão eficaz quanto a de um chimpanzé, assim como nosso corpo desenvolveu em suas articulações e coordenações, nossa psique também e, da mesma forma que o corpo trás fragmentos de evoluções, como por exemplo o apêndice, o inconsciente também traz resquícios da raça humana, o que Jung chamou de  arquíticos (história pra outro café), portanto "Penso Logo Existo" não cabe uma interpretação lógica, a não ser poética, embora eu tenha lido vários livros de Descartes e ele é um dos pensadores que mais me ensina e influência, acredito que essa frase tem mais uma conotação lírica do que informativa. 
      O físico não explora prótons e elétrons por necessidade da sobrevivência, mas movido pelo sentimento de curiosidade, se a partir daquela descoberta pode encontrar algo que facilite a existência, as invenções para suprir deformidades é por erros que outras invenções humanas cometeram, claro que é um argumento que não se aplica à medicina, posto que os povos primitivos sucumbiam à doenças mais graves, onde mais uma vez em um âmbito biológico, isso não levaria a extinção da espécie e o planeta seguiria (também história pra outro café), dominamos o mundo por sentir, não por pensar, um poeta envida seus esforços no sentindo de encontrar as palavras certas e que sejam belas pra expressar um sentimento, isso o aprimora e edifica seu intelecto, como o físico movido pela curiosidade cria uma fantástica máquina, como uma mãe pode mergulhar em um lago a menos dez graus para resgatar seu filho submergido, da mesma forma que derrubamos árvores para podermos construir móveis movidos pela vontade de conforto.
    Entender que somos movidos por sentimentos, não irá fazer com que passamos a ter ideias de sustentabilidade, não fara com que busquemos o sentido da existência, não vai clarear a religião e provar a existência de Deus, embora podemos trilhar por esses caminhos com este argumento, mas sobretudo deve mudar a forma como entendemos o outro, como olharmos pra outras pessoas e como olhamos pra nós mesmo, a partir daí podemos ter mais controle de nossas ações e poder tomar mais de domínio sobre nosso pensamento ou forma de pensar, (cuidado que entender isso é uma linha de pensamento muito frágil, eu mesmo quase me perdi),  medir com medida menos recalcada, trazer pro consciente a ideias escondidas. Faz parte de se entender melhor, ter mais conhecimento daquilo que se é e então se ver e se ligar não como raça humana, mas como pessoa humana (abro parenteses pra perguntar: entende?). 

"Conheça-te a ti mesmo."

0 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB