Nem toda realidade é verdade

sábado, 7 de abril de 2012 0 comentários
Nem toda realidade é verdade

O amor é cego
Deus é amor = Deus é Cego


Espelho - Pablo Picaso 



O amor é cego
Deus é amor
José é  cego = José é Deus




Nem tudo que se sente é verdadeiro por apenas o sentir

       Nem todas as coisas que sentimentos são verdadeiras, mesmo que sejam concretas e incontestáveis sua veracidade quanto matéria, mas nem sempre como essência. Quando alguém passa por um momento triste, de dor e naquele exato momento esculta alguma música que de alguma forma se identifica com o sentimento, a sensação de tristeza e dor ficam impressas naquela canção e todas as vezes que voltar a escultar aquele mesmo som, vai sentir toda emoção machucando de novo, é real a sensação ruim causada pela música, mas não é verdade que a música é ruim, por mais que ela cause dor em alguém outras pessoas não vão sentir o mesmo, é real, mas não verdadeiro. Daí entendemos amores que vêm e que vão, paixões que se apagam, são reais, mas não verdades e sendo uma lei fundamental da vida: A verdade prevalece
      Poderia afirmar que verdade é subjetiva naquilo que cada pode sentir e objetiva naquilo que todos podem descrever, mas vai além de tudo isso. É exatamente o que Hegel define: "Verdade é o todo", pra entendermos de vez a verdade é preciso analisar o texto, o contexto e as entrelinhas, pra conseguir sentir todas as emoções, sentir apenas um sentimento ou algo semelhante não é uma base fundamentalista pra se concluir o que é verdade, pois verdade é o todo. Quando usamos algum fragmento isolado da verdade (de todo o fato, ou dos sentimentos) e tomamos aquilo como verdade plena, nós engradecemos algo pequeno e ficamos cada vez mais longes daquilo que é a pura (sem contaminações) verdade, pois verdade é o todo.
         Muitas de nossas crises e insatisfações se dão por acreditarmos que muitas das realidades que vivemos é a verdade, tem muita gente no fracasso acreditando ser fracassado, tem muito engenheiro que na verdade é advogado, pois seguiu uma vocação totalmente diferente de sua identidade e vez de sua realidade uma mentira. Então muito sentimento que sinto acreditando ser verdadeiro, mas que só vem me destruindo ou até ma alegrando, pode ser uma real mentira.
       Este texto veio em um aspecto muito teórico, apenas clinico em seu desfecho, mas a reflexão é: Qual  o ponto da minha realidade que não é verdade, em que momento, de minha maturidade, eu me perdi da minha verdadeira vocação e identidade e passei a viver uma real mentira. Muitas vezes valorizamos a insignificância e desprezamos o valioso, tomamos por ouro e diamante o que não passa de ferro e cobre.  Muito simples de entender, mas que pra muita gente muito complicado de aplicar. Vale lembrar que quem vive uma mentira, além de frustração e insatisfação, "não vive, passa pela vida"

0 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB