Pular para o conteúdo principal

Lembranças


Este texto só dará certo se você ainda lembrar

Quero voltar na noite em que te conheci
Quero voltar e viver as emoções que senti
Quero voltar no momento onde toquei tuas mãos
E beijei tua face pela primeira vez

Quero voltar no momento onde entrei no teu olhar
Quero voltar quando o meu sorriso respondeu ao teu
Quero voltar onde disse pela primeira vez: amo você

Deus escreveu nossa história nas linhas do tempo
E resolveu publicá-la
Em nossos corações

Onde as muitas águas não afogam
Onde as chamas não consomem em fogo
Onde não se perde com o vento e tempo
Onde o homem não rouba nem mata

Acordei com o sabor de lembranças amargas e alegres na boca: Pudim de limão!

É sempre bom lembrar, olhar para trás nos faz comparar passado e presente e ver o quanto amadurecemos, também é bom pra idealizarmos o futuro pra entender o quanto ainda precisamos nos aprimorar, ver e entender todo o desenvolvimento da nossa vida, identificar a gradação de nosso destino e talvez aumentar nossa fé nos sonhos de futuro. Lembranças são os ingredientes secretos que dão os melhores sabores a tudo o que alimenta nosso espírito.
Sempre despertam as mesmas sensações de quanto as vivemos, muitas tendem a nos envergonhar, aquelas onde agimos por impulsos, momentos em que dizemos besteira, dançamos descontroladamente, começamos algo que não sabíamos como terminar, e tantas outras coisas que fizemos que nos trazem uma vergonha ridícula e pensamos "meu deus, com fui capaz de fazer aquilo.", mas fizemos e não podemos apagar de nossa memoria e elas nos ajudam a melhorar no sentido de cumprir o ditado "pense antes de agir".  Temos aquelas lembranças de coisas realmente boas, das gargalhadas com os amigos, das piadas e caretas entre bebedeiras, os tombos, as idas ao rio, a dança descontrolada que deu certo, lembranças de sorrisos que nasceram em eventos importantes e significativos, lembranças nostálgicas, que nos fazem entrar em contato com a parte boa em nós, a parte feliz, a parte menina, a parte que diz que precisamos melhorar cada dia mais como 'pessoas humanas'. Existem lembranças tristes, aquelas de perca, lembranças de fracassos, de derrotas humilhantes, lembranças de tentativas falhas, lembranças que causam dor e trazem lágrimas, talvez as que mais nos aprimorem, pois por mais que seja impiedosamente terrível, são as dores que realmente nos amadurecem, mais que os sucessos, as dores nos tornam mais perspicazes, mais perceptíveis, mais imunes a pedras pequenas, mais maduros e lembrar-nos delas é entender o quanto somos maduros, do quanto aprendemos com a vida, é enxergar a altura que chegamos e a mentalidade que adquirimos.
Existem lembranças perigosas, promiscuas, as lembranças mesclas, são junções de sentimentos paradoxais, nos fazem rir os sorrisos mais sinceros e gostosos que uma memória pode causar e depois nos violentam com dores e tristezas, como em se lembrar de pessoas que se foram de nós, nos recordamos dos momentos bons daquela pessoa ao nosso lado, das boas palavras e depois da partida, ou como de um amor antigo, aquele relacionamento verdadeiro e intenso, que nos fez passar tempos distraídos em pensamentos, das palavras e carinhos, das risadas e beijos e abraços e amassos, de cada sorriso, do olhar, do andado, da forma como virava a cabeça, é ai então que essas lembranças se gradam, crescem, passam das alegrias para as primeiras discussões, os primeiros desentendimentos, mas não trazem raiva, até rendem alguns risos, mas então vem a lembrança da despedida ou do termino que ai sim, faz doer, dor de choro, essas lembranças, em alguns momentos, nos maltratam, nem sempre fazem bem, nem sempre ajudam, pois muitas vezes reascendem paixões antigas e nos martirizam, porque reavivam desejos já esquecidos e tesões mortos e então sofremos intensamente.
De todas as formas lembranças são capsulas, são formas que encontramos de guardar sentimentos, sempre que quisermos um fragmento da sensação de volta é somente lembrar, embora existam sentimentos que não queremos de novo e tentamos esquecer. Há um cuidado a se tomar: Olhamos para o passado só pra lembrar, para aprender com ele e não ficar nele, respeitar e valorizar ao máximo nossa história, mas não viver dela e sim a continuarmos com desfechos valiosos e importantes tão quanto e até maiores do que os adventos já vividos. 

Quero dedicar este texto a meu amigo Paulo Joaquim (http://www.facebook.com/pauloaudit) a quem me rendeu ótimos momentos de companhia, de música, descontração e confiança. Saudades meu grande amigo

Comentários

  1. bateu uma saudadezinha da minha casa e de tudo o que eu vivi antes de me mudar. Boas lembranças, boas histórias!

    ResponderExcluir
  2. Olá Ronaldo, tudo bem?

    Obrigada pela visita em meu blog, adorei aqui e já estou seguindo. Espero que volte mais vezes.

    Beijocas carinhosas da...
    Fe

    ResponderExcluir
  3. Vivo em guerra com certas lembranças.
    As amo na mesma medida que as odeio. (?)

    Reflexão bastante pertinente, gostei!

    Um beijo,

    Talita

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

Postagens mais visitadas deste blog

Minha menina

Por traz desta nuvem cheia de raios Existe um olhar Cheio de lágrimas
Sorriso maduro, um céu de veludo O sol se põe a descansar E minha menina vem dançar Na chuva
Vai que o mundo é Teu Gira sem se preocupar As águas que caem Lhe molham o rosto E levam as lágrimas
Por traz dessa esfera Menina tão bela Existe um coração a palpitar
Se lança no escuro, não se sabe o rumo Tem medo, precisa se arriscar Minha menina Sozinha
Vai que teu segredo é meu Vai que eu fico a te esperar As águas que caem Levam teus passos Mas não levam o meu olhar
Os passos são dela A vida que espera Minha menina vai buscar
Não olha o passado, não vê nada errado Há dores que tem que carregar Minha menina Partiu
Vai que teu sorriso é meu Vai te espero se voltar As águas que caem Molham teu corpo Levam minhas lágrimas.

Agrura

Confidências de traição Sussurros na escuridão E lágrima solitária caía
O começo de sua maldição Lembranças de uma ilusão Enquanto ali sentado ele apenas via A vida passar
Sentimentos de confusão Lhe perturbam o coração E a alma tão escondida vazia
A alegria em morbidão Fragmentos de uma paixão Enquanto ali bebendo ele apenas via A vida passar
Seu algoz eram suas mãos Só errava em cada decisão As lembranças só lhe causavam grande agonia
Seu tormento em profusão Derrotado em seu próprio chão A esperança morta em seus braços E ele nem sabia
Enquanto ali parado ele apenas via A vida passar

O silêncio era um grito então O seu corpo escória e prisão Da alma moribunda que já nem sentia
Mergulhado em sua solidão Pensamentos de aflição Agonizando no peito a alegria
Enquanto ali chorando ele apenas via A vida passar
Palavras não curavam A dor que ele sentia A morte lhe tentava  Mas o orgulho lhe impedia Então quis rezar E acreditar Que Deus ouviria

Gente que se perde

Gente que se perde por distancia, gente que se perde por ir dormir pra sempre, gente que se perde por desapego, gente que se perde sem se querer perder. No fato não se perde ninguém porque ninguém nos pertence, no sentimento se perde sim... E fica a impressão mais cortante na alma, fica a marca da cicatriz mais dolorida e corrosiva, a que vira carência, fica a lembrança de um adeus e o desejo de reencontro, faz a gente produzir lágrimas, transforma os olhos em fontes torrenciais, transforma a mente em armazém de saudade. Solução? Não há, porque não é um problema, é angustia, é martírio, mas não é controlável. Nos construímos com parte que pegamos dos outros e deixando partes de nós nos lugares em que passamos, perder ou ver/deixar alguém ir, é desprender parte da alma e coração e ficar apenas com o corpo, um corpo que chama outra vez as sensações que sentira com o outro corpo que se foi, uma mente que se sente incompleta e uma alma com um buraco do tamanho da saudade.

Tudo é silenci…