Pular para o conteúdo principal

eu sou-Rio




Nas metáforas da vida a que me cabe é ser um rio,
sendo eu este rio caudaloso,
as vezes turvo, as vezes insipido,
cristalino como a pura alma de uma criança ou como alva neve que cobre os montes Chilenos
Um rio que as vezes se suja, se mancha com todo esse barro que chamamos de pecado, mas mesmo que a superfície indique doença é apenas um estado de transtorno, pois em meu profundo continua a bela essência.
Rio que transborda quando alimentado por águas filtradas pelo céu, momento em que minha força invade outros pessoas, onde minha alegria racional é confundida com euforia descontrolada, mas que com o tempo da seca se torna triste e escasso, isso é quando tenho saudade.
Rio cuja as margens portam frondosas árvores, que são pessoas que se achegam pra aprender,  quais são bem alimentadas para que possam traduzir todo alimento em frutos.
Sendo eu, sendo rio, sigo,
pois o que não muda deixa de existir
 e não é estático este
e nem estático sou,
o fluir das emoções surgem assim como surgem as águas do rio, pois fluir é exatamente como deve ser a jornada de todo ser, a vida e a natureza são encarregadas de suprir em corpo e emoções à tudo, fluidificar é a expressão da caminhada, é o trajeto.
Um percurso que por vezes tento diminuir os passos para aproveitar o instante de beleza das paisagens bucólicas que encontro na vida, percurso que as vezes tento acelerar por entrar em cavernas negreiras ausentes de luz e vida, mas sempre deixando fluir, pois mesmo fluindo a velocidade pode se alterar.
Um rio que desde de sua virgem nascente até os meios mais contaminados com aquilo juntado ao longo da vida que com a ajuda dos ventos, do tempo, dos peixes procura se limpar, e consegue/consigo, para desaguar.
Então amadureço e o rio cresce
e chega a hora do rio mergulhar no mar, do rio tomar banho
do rio entrar em outras águas e nadar dentro de outros rios e dentro de si (identifique as metáforas de mim (ou de si))
O rio não questiona se o mar merece suas águas, mas deságua o melhor que tem pois é o rio que precisa se esvaziar de si para que as novas águas limpas e puras possam correr em seu leito.


Comentários

  1. Maravilhoso! Quantos sentimentos descritos aqui!E mesmo que tentemos barra-lo,ele não permite,posto ser esta a sua natureza....

    ResponderExcluir
  2. "O rio não questiona se o mar merece suas águas, mas deságua o melhor que tem pois é o rio que precisa se esvaziar de si para que as novas águas limpas e puras possam correr em seu leito."

    Lindo!
    E que coisa mais maravilhosa a música ter inspirado vc assim.
    Beijo, amei!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

Postagens mais visitadas deste blog

Minha menina

Por traz desta nuvem cheia de raios Existe um olhar Cheio de lágrimas
Sorriso maduro, um céu de veludo O sol se põe a descansar E minha menina vem dançar Na chuva
Vai que o mundo é Teu Gira sem se preocupar As águas que caem Lhe molham o rosto E levam as lágrimas
Por traz dessa esfera Menina tão bela Existe um coração a palpitar
Se lança no escuro, não se sabe o rumo Tem medo, precisa se arriscar Minha menina Sozinha
Vai que teu segredo é meu Vai que eu fico a te esperar As águas que caem Levam teus passos Mas não levam o meu olhar
Os passos são dela A vida que espera Minha menina vai buscar
Não olha o passado, não vê nada errado Há dores que tem que carregar Minha menina Partiu
Vai que teu sorriso é meu Vai te espero se voltar As águas que caem Molham teu corpo Levam minhas lágrimas.

Agrura

Confidências de traição Sussurros na escuridão E lágrima solitária caía
O começo de sua maldição Lembranças de uma ilusão Enquanto ali sentado ele apenas via A vida passar
Sentimentos de confusão Lhe perturbam o coração E a alma tão escondida vazia
A alegria em morbidão Fragmentos de uma paixão Enquanto ali bebendo ele apenas via A vida passar
Seu algoz eram suas mãos Só errava em cada decisão As lembranças só lhe causavam grande agonia
Seu tormento em profusão Derrotado em seu próprio chão A esperança morta em seus braços E ele nem sabia
Enquanto ali parado ele apenas via A vida passar

O silêncio era um grito então O seu corpo escória e prisão Da alma moribunda que já nem sentia
Mergulhado em sua solidão Pensamentos de aflição Agonizando no peito a alegria
Enquanto ali chorando ele apenas via A vida passar
Palavras não curavam A dor que ele sentia A morte lhe tentava  Mas o orgulho lhe impedia Então quis rezar E acreditar Que Deus ouviria

Meu Ponto e Vírgula;

Já sofreu depressão? Já teve pensamento suicida? Bom, eu já. Talvez você pense que isso é coisa de gente fraca, gente pequena, gente sem Deus, aí que se engana meu amigo, essa gente pensa muito mais profundo que você, elabora questões muito mais complexas do que sua inteligência consegue entender.

        A própria Bíblia mostra que somos governados por nosso coração e o que governa nosso coração governará a nossa vida (Mt 6:21; Mt 15:19; Sl 141:4). A forma como nos relacionamos com as pessoas e as situações é um reflexo do que governa nosso coração, como por exemplo a negação de Pedro, mesmo sabendo o que era certo a se fazer, negou a Cristo por medo da morte. Nossas ações e emoções, são da forma que interpretamos a realidade, Pedro interpretou que os homens, naquele momento, eram maiores que Jesus e que estaria em risco falando a verdade sobre o Cristo, embora Jesus havia lhe ensinado a não temer os que matam o corpo (Mt. 10: 16-33).

       Ainda em textos bíblicos, nos deparamos c…