Pular para o conteúdo principal

Um produto humano




Aos poucos vamos perdendo o brilho, a força, o vigor, a paciência já não é a mesma, as vontades já não são as mesmas, a gente se perde no próprio cansaço e deixa nascer a frustração. Os sorrisos são limitados e tudo que proporciona algum tipo de prazer se torna a válvula de escape, talvez daí nasça os vícios. Nos colamos em um vazio e é o que sentimos, procuramos fazer qualquer mudança, mesmo que seja mínima como mudar os móveis ou o caminho pro trabalho, pra suprir essa sensação de falta daquilo que não se define claramente, mas a sensação não passa.
Entendemos como uma forma comportamental aquilo que é mais profundo. É difícil concluir se a frustração é uma extensão da insatisfação ou vice e versa. Na verdade o que sentimos é tão forte e intenso que parece vir da alma pra garganta a vontade de grito. A tolerância zera.
Podemos atribuir tudo isso como efeito colateral do moderno mundo capitalista ou assumir que é a covardia de não viver as vontades da alma e do espírito, é o medo de ser ousado pra fazer o que te faz bem e falir, mas o que pode ser mais falido do que uma vida acomodada em uma morbidez emotiva? Pessoas que fazem sonhos se transformarem em utopia, que têm o maldito feitio de transformar coisas simples em grandes tormentos, quando na verdade, na maioria das vezes, temos que simplificar o que é complicado pra chegar à solução.
Aceitamos os padrões impostos (coisa que todo mundo escuta muito falar, tanto que as vezes soa como clichê, mas que é fato), como se não houvesse outros caminhos além daqueles apresentados, nos fazendo acreditar que se não seguirmos o protocolo seremos infelizes, pois tem muita gente infeliz acreditando nisso, então novidade! Leia as entrelinhas da palavra Vida, ela por si só vai te inspirar a criar seus próprios caminhos, que os paradigmas funcionais seus conceitos, não os que te ensinaram/obrigaram a seguir, mas os que você criou, a Vida que vai revelar o entendimento da Palavramundo que não está escrito em nenhum livro e que só pode ser sentida diretamente no espírito.
Ande na contra-mão se isso te fizer feliz. Entenda que seus passos criam um novo caminho, talvez por isso a maré apaga as pegadas, para que os caminhos nunca sejam os mesmo. Daquilo que apenas escutar entenda, mas daquilo que sentir reflita e imprima seu selo nas situações da vida e na própria Vida.
Tenha como único dogma o amor, o resto construa por si mesmo, estando livre para convidar quem quiser pra fazer parte disso e também para expulsar quem quiser, o colocando fora do privilégio de ser parte da sua história
Quem se embriaga com álcool exala pelos poros o odor, temos que mergulhar fundo e profundo, nos embriagar de mais afeto, solidariedade, sinceridade, compreensão, otimismo e amor, pra deixarmos aflorar em nós aquilo que há de humano.

Comentários

  1. Que texto lindo!
    Vdd, quem se embriaga exala o odor do álcool, talvez nos embriagando de amor, aconteça o mesmo.

    Gostei muito. Me fez pensar.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  2. Lindo seu texto amigo! Eles nos mostra várias realidades! Nos mostra tbm q o amor pod estar em tudo e em qualquer lugar!
    Bjo.

    ResponderExcluir
  3. Lindo, lindo, lindo! É preciso se reinventar usando como base o amor. É sobre ele que as vontades e o ânimo da vida brota. Por mais que brotem espinhos também.

    ResponderExcluir
  4. Como escrevi outro dia, é muita regra para pouca vida.

    Amor, única terra fértil em qualquer momento. Mesmo quando floresce com espinhos.

    Única regra absoluta.

    As outras podem e devem sofrer revisão.


    Bjo lindo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

Postagens mais visitadas deste blog

Agrura

Confidências de traição Sussurros na escuridão E lágrima solitária caía
O começo de sua maldição Lembranças de uma ilusão Enquanto ali sentado ele apenas via A vida passar
Sentimentos de confusão Lhe perturbam o coração E a alma tão escondida vazia
A alegria em morbidão Fragmentos de uma paixão Enquanto ali bebendo ele apenas via A vida passar
Seu algoz eram suas mãos Só errava em cada decisão As lembranças só lhe causavam grande agonia
Seu tormento em profusão Derrotado em seu próprio chão A esperança morta em seus braços E ele nem sabia
Enquanto ali parado ele apenas via A vida passar

O silêncio era um grito então O seu corpo escória e prisão Da alma moribunda que já nem sentia
Mergulhado em sua solidão Pensamentos de aflição Agonizando no peito a alegria
Enquanto ali chorando ele apenas via A vida passar
Palavras não curavam A dor que ele sentia A morte lhe tentava  Mas o orgulho lhe impedia Então quis rezar E acreditar Que Deus ouviria

Minha menina

Por traz desta nuvem cheia de raios Existe um olhar Cheio de lágrimas
Sorriso maduro, um céu de veludo O sol se põe a descansar E minha menina vem dançar Na chuva
Vai que o mundo é Teu Gira sem se preocupar As águas que caem Lhe molham o rosto E levam as lágrimas
Por traz dessa esfera Menina tão bela Existe um coração a palpitar
Se lança no escuro, não se sabe o rumo Tem medo, precisa se arriscar Minha menina Sozinha
Vai que teu segredo é meu Vai que eu fico a te esperar As águas que caem Levam teus passos Mas não levam o meu olhar
Os passos são dela A vida que espera Minha menina vai buscar
Não olha o passado, não vê nada errado Há dores que tem que carregar Minha menina Partiu
Vai que teu sorriso é meu Vai te espero se voltar As águas que caem Molham teu corpo Levam minhas lágrimas.

Lembranças

Este texto só dará certo se você ainda lembrar
Quero voltar na noite em que te conheci Quero voltar e viver as emoções que senti Quero voltar no momento onde toquei tuas mãos E beijei tua face pela primeira vez
Quero voltar no momento onde entrei no teu olhar Quero voltar quando o meu sorriso respondeu ao teu Quero voltar onde disse pela primeira vez: amo você
Deus escreveu nossa história nas linhas do tempo E resolveu publicá-la Em nossos corações
Onde as muitas águas não afogam Onde as chamas não consomem em fogo Onde não se perde com o vento e tempo Onde o homem não rouba nem mata
Acordei com o sabor de lembranças amargas e alegres na boca: Pudim de limão!
É sempre bom lembrar, olhar para trás nos faz comparar passado e presente e ver o quanto amadurecemos, também é bom pra idealizarmos o futuro pra entender o quanto ainda precisamos nos aprimorar, ver e entender todo o desenvolvimento da nossa vida, identificar a gradação de nosso destino e talvez aumentar nossa fé nos sonhos de fu…