Clones e Originais

terça-feira, 26 de julho de 2011 0 comentários
       Os conceitos, os preceitos, as conclusões, até mesmo as dúvidas, o signo, o tipo sanguíneo, a cultura, o idioma, o dinheiro, todas as mídias, o clima, o próprio nome, a família ou falta dela, enfim a sociedade tem menos impacto em nossa personalidade do que imaginamos. É difícil pra muitos entenderem que nós formamos a sociedade, depois ela nos forma.
          A consciência tem seu núcleo e seus externos, é muito superficial definir e ser definido por aspectos que te preenchem quando na verdade a sua essência é o que em menor quantidade tem de original em você. Os paradigmas antigos da “massa social” vêm em declínio depois de algum tempo, na decorrência de fatos que tiveram uma influencia global. As regras mudam, mas nunca deixam de existir, limites que subsistem por causa das divergentes formas de pensar e agir de uma parte da massa, por exemplo, não havia leis para os homens primitivos, eles matavam de acordo com a necessidade da ocasião, os homens modernos matam por dinheiro, psicose e vingança, então os mesmos homens modernos criam leis para punir o próprio homem moderno.
      Saber separar o que é extinto, o que é influencia e o que é original é o difícil. Agir de forma inconsciente seria, talvez, a maior expressão peculiar de alguém, mas infelizmente nosso inconsciente, a parte mais inteligente, não tem 100% de espaço em nossa vida consciente.
         Ser ponderado, raivoso, racional ou emotivo serão características próprias ou derivadas do seu tipo sanguíneo ou alguma outra coisa? É quase a sensação de viver anos e no clímax da sua vida descobrir que grandes cosias que aconteceram e que fez não foi por sua capacidade original, mas por sua capacidade de “clonagem natural”, onde todos seus atos decorrem de uma influência, da criação dos outros, na teoria que somos simples sombras da sociedade que formamos, perdemos o controle e alguns tentam mudar.
         Quais de nós somos clones e quais de nós somos originais? Na nossa inconstância de pensamentos, fazes, já fomos, somos e seremos os dois. Descobrir se dá pra misturar as duas coisas ao mesmo tempo é nosso desafio diário. Também não da pra distinguir qual ser qual é melhor do que o outro, tudo depende da personalidade que já foi formada.

0 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB