O Resto do Fim

quarta-feira, 6 de julho de 2011 0 comentários


É como se no meio da história 
Eu soubesse qual seria o fim
E no paralelo da memoria
Eu perdesse o tempo e as lembranças

É como se fosse a ultima canção
É como se fosse o ultimo verso do poeta
É como se fosse o ultimo acorde do acordeom
É como se fosse o ultimo som

É como se fosse o ultimo grão de poeira
É como se fosse a ultima folha que cai
É como se fosse o brilho da ultima estrela
É como se fosse a ultima voz do sábio que restou

É como se no meio da história 
Eu soubesse qual seria o fim
E no paralelo da memoria
Eu perdesse o tempo e as lembranças

É como se o ultimo sonho realizasse
É como se o ultimo beijo fosse em você
É como se a visão da primeira miragem
No resto do fim pudesse acontecer

É como se fossem as ultimas bandeiras de fogo do crepúsculo
E não houvesse novo nem ultimo amanhecer
É como se dissesse o ultimo verbo
E o Verbo vivo aparecer
Ali seria a ultima visão que os meus olhos poderiam ter

É como se no meio da história 
Eu soubesse qual seria o fim
E no paralelo da memoria
Eu perdesse o tempo e as lembranças

É como se no meio da história 
Eu soubesse qual seria o fim
E no paralelo da memoria
Eu perdesse o tempo e as lembranças apagassem
_____________________________________________

0 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB