Sinceramente, Saudades

terça-feira, 21 de agosto de 2012 2 comentários


Sinceramente, saudades
Descaso talvez, só que do tempo
O que se faz, se fez e é tormento
Claro, pro coração

Desafeto tal assim podia
Vil desapego, canção é disritmia
Fora de harmonia
Qualquer melodia
Até de Caetano

Até primavera se cala
E as "flores já não exalam 
o perfume que roubam de ti"

Fracasso, exato
Até o momento de incógnita
A dúvida cruel de saber nada
Saber o que pensa
O que sente, o que esconde e mente
São meus passos no vão

A fé, que viva, ativa, quase passiva
De um amor ingênuo e sem experiência 
A esperança, miscelânea de desejo
De quem sabe um beijo
Meu cure corpo, alma e coração.

2 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB