Pular para o conteúdo principal

Os altos e baixos



Me curvo as curvas,

me turvo nas curvas turvas

ou me titubeio em  retas sem nas curvas me turvar?




Os altos e baixos em todos seus opostos e contrários, os momentos de bem e de não bem, de alegria e falta dela, as curvas da vida

As curvas da vida são diferentes das curvas do horizonte e mais ainda das curvas do corpo da bela moça, diferentes das curvas do corcovado e das curvas não turvas das ondas formadas no lago envolto na alva neblina da manhã. As curvas da vida não são estradas, são sim graduais, mas não é um percusso delimitado, que se vê o fim e é limitado, nem previsto, preposto.

O que são altos e baixos na vida?
O que são essas curvas, meu deus?

Seria as alternâncias do  meu extrato bancário ou a beleza e inteligencia da minha ultima relação amorosa
que a mesma hora vai e hora vem, 
minha carreira artística e profissional que me ocupa e preocupa, 
minha família que tem dificuldade de entender minhas decisões, mas que me ama, sem titubeios
Ou meu titubear em escolhas e vontades distintas?

Qual variação inconstante e definida da gramática me responde a questão existencial
E qual figura de linguagem e expressão e visão e som e todo intelecto e sentimento me revela o que é absoluto em verdade à questão existencial?   

Vivencia sem percepção é concluir pelos outros, 
então eu sei o que são essas curvas e esses altos e baixos que estão muito mais internos e profundos do que minhas perguntas

São curvas de um vento direcionado, que as vezes encontra uma frente oposta e faz um furacão
São caminhos nas areias do mar, alguns passos perto demais da maré, apagados e outros tão longe das águas
São linhas desenhadas sem régua, mas que se acertam quando as mãos aprendem a desenhar
As curvas são as variações da alma, do humor, das esperanças, das vontades, das paixões e emoções
As curvas são feitas no espírito e pelo espírito em cada homem, portanto o que acontece fora não é um alto e nem outro relevo, nem curva, é uma simples reta se isso não for internalizado

As curvas, 
os altos e baixos são as sensações do animo, do espírito
Por isso as vezes os acontecimentos permanecem os mesmos e as sensações mudam 
As variações acontecem dentro
E as transformações são de dentro pra fora

Os relevos e curvas da vida é uma reação a minha própria ação quanto um ser vivo

E de rabicho desse entender
Entendo que o importante é o que eu jogo no mundo
Mais  do que aquilo que eu absorvo, mesmo eu absorvendo tão bem
A visão mais importante é dos olhos pra dentro,
porque se esta visão estiver doente tudo que vê de fora, mesmo palpável, será apenas miragem.

Mais em absoluto venho dizer que as curvas não existem,
elas existem sim e são bem delineadas.

Comentários

  1. Lindo e profundo... ;)
    Bjus meu amigo artista que tanto gostoooooooo!!!

    Iara Ester

    ResponderExcluir
  2. Eu ia comentar sobre as curvas e a inconstância do mundo, da vida. Mas vou me limitar a dizer que essa frase cala todos os questionamentos: "A visão mais importante é dos olhos pra dentro,
    porque se esta visão estiver doente tudo que vê de fora, mesmo palpável, será apenas miragem."

    Perfeito. É isso.

    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelo convite, adorei conhecer seu espaço!
    ^^

    E claro, parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  4. "As curvas são as variações da alma, do humor, das esperanças, das vontades, das paixões e emoções."

    Curvas paradoxas, perigosas e fascinantes. Mas, são nelas que a vida acontece.

    Um beijo e sorte com elas para não tombar e nem se perder.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

Postagens mais visitadas deste blog

Agrura

Confidências de traição Sussurros na escuridão E lágrima solitária caía
O começo de sua maldição Lembranças de uma ilusão Enquanto ali sentado ele apenas via A vida passar
Sentimentos de confusão Lhe perturbam o coração E a alma tão escondida vazia
A alegria em morbidão Fragmentos de uma paixão Enquanto ali bebendo ele apenas via A vida passar
Seu algoz eram suas mãos Só errava em cada decisão As lembranças só lhe causavam grande agonia
Seu tormento em profusão Derrotado em seu próprio chão A esperança morta em seus braços E ele nem sabia
Enquanto ali parado ele apenas via A vida passar

O silêncio era um grito então O seu corpo escória e prisão Da alma moribunda que já nem sentia
Mergulhado em sua solidão Pensamentos de aflição Agonizando no peito a alegria
Enquanto ali chorando ele apenas via A vida passar
Palavras não curavam A dor que ele sentia A morte lhe tentava  Mas o orgulho lhe impedia Então quis rezar E acreditar Que Deus ouviria

Minha menina

Por traz desta nuvem cheia de raios Existe um olhar Cheio de lágrimas
Sorriso maduro, um céu de veludo O sol se põe a descansar E minha menina vem dançar Na chuva
Vai que o mundo é Teu Gira sem se preocupar As águas que caem Lhe molham o rosto E levam as lágrimas
Por traz dessa esfera Menina tão bela Existe um coração a palpitar
Se lança no escuro, não se sabe o rumo Tem medo, precisa se arriscar Minha menina Sozinha
Vai que teu segredo é meu Vai que eu fico a te esperar As águas que caem Levam teus passos Mas não levam o meu olhar
Os passos são dela A vida que espera Minha menina vai buscar
Não olha o passado, não vê nada errado Há dores que tem que carregar Minha menina Partiu
Vai que teu sorriso é meu Vai te espero se voltar As águas que caem Molham teu corpo Levam minhas lágrimas.

Lembranças

Este texto só dará certo se você ainda lembrar
Quero voltar na noite em que te conheci Quero voltar e viver as emoções que senti Quero voltar no momento onde toquei tuas mãos E beijei tua face pela primeira vez
Quero voltar no momento onde entrei no teu olhar Quero voltar quando o meu sorriso respondeu ao teu Quero voltar onde disse pela primeira vez: amo você
Deus escreveu nossa história nas linhas do tempo E resolveu publicá-la Em nossos corações
Onde as muitas águas não afogam Onde as chamas não consomem em fogo Onde não se perde com o vento e tempo Onde o homem não rouba nem mata
Acordei com o sabor de lembranças amargas e alegres na boca: Pudim de limão!
É sempre bom lembrar, olhar para trás nos faz comparar passado e presente e ver o quanto amadurecemos, também é bom pra idealizarmos o futuro pra entender o quanto ainda precisamos nos aprimorar, ver e entender todo o desenvolvimento da nossa vida, identificar a gradação de nosso destino e talvez aumentar nossa fé nos sonhos de fu…