Os altos e baixos

sábado, 28 de janeiro de 2012 4 comentários


Me curvo as curvas,

me turvo nas curvas turvas

ou me titubeio em  retas sem nas curvas me turvar?




Os altos e baixos em todos seus opostos e contrários, os momentos de bem e de não bem, de alegria e falta dela, as curvas da vida

As curvas da vida são diferentes das curvas do horizonte e mais ainda das curvas do corpo da bela moça, diferentes das curvas do corcovado e das curvas não turvas das ondas formadas no lago envolto na alva neblina da manhã. As curvas da vida não são estradas, são sim graduais, mas não é um percusso delimitado, que se vê o fim e é limitado, nem previsto, preposto.

O que são altos e baixos na vida?
O que são essas curvas, meu deus?

Seria as alternâncias do  meu extrato bancário ou a beleza e inteligencia da minha ultima relação amorosa
que a mesma hora vai e hora vem, 
minha carreira artística e profissional que me ocupa e preocupa, 
minha família que tem dificuldade de entender minhas decisões, mas que me ama, sem titubeios
Ou meu titubear em escolhas e vontades distintas?

Qual variação inconstante e definida da gramática me responde a questão existencial
E qual figura de linguagem e expressão e visão e som e todo intelecto e sentimento me revela o que é absoluto em verdade à questão existencial?   

Vivencia sem percepção é concluir pelos outros, 
então eu sei o que são essas curvas e esses altos e baixos que estão muito mais internos e profundos do que minhas perguntas

São curvas de um vento direcionado, que as vezes encontra uma frente oposta e faz um furacão
São caminhos nas areias do mar, alguns passos perto demais da maré, apagados e outros tão longe das águas
São linhas desenhadas sem régua, mas que se acertam quando as mãos aprendem a desenhar
As curvas são as variações da alma, do humor, das esperanças, das vontades, das paixões e emoções
As curvas são feitas no espírito e pelo espírito em cada homem, portanto o que acontece fora não é um alto e nem outro relevo, nem curva, é uma simples reta se isso não for internalizado

As curvas, 
os altos e baixos são as sensações do animo, do espírito
Por isso as vezes os acontecimentos permanecem os mesmos e as sensações mudam 
As variações acontecem dentro
E as transformações são de dentro pra fora

Os relevos e curvas da vida é uma reação a minha própria ação quanto um ser vivo

E de rabicho desse entender
Entendo que o importante é o que eu jogo no mundo
Mais  do que aquilo que eu absorvo, mesmo eu absorvendo tão bem
A visão mais importante é dos olhos pra dentro,
porque se esta visão estiver doente tudo que vê de fora, mesmo palpável, será apenas miragem.

Mais em absoluto venho dizer que as curvas não existem,
elas existem sim e são bem delineadas.

4 comentários:

  • Camila Lourenço disse...

    Eu ia comentar sobre as curvas e a inconstância do mundo, da vida. Mas vou me limitar a dizer que essa frase cala todos os questionamentos: "A visão mais importante é dos olhos pra dentro,
    porque se esta visão estiver doente tudo que vê de fora, mesmo palpável, será apenas miragem."

    Perfeito. É isso.

    Bjo

  • Contradita disse...

    "As curvas são as variações da alma, do humor, das esperanças, das vontades, das paixões e emoções."

    Curvas paradoxas, perigosas e fascinantes. Mas, são nelas que a vida acontece.

    Um beijo e sorte com elas para não tombar e nem se perder.

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB