Minha crise é

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012 1 comentários




Minha crise é em não atingir. Não é em atender as expectativas alheias, não é em suprir o orgulho da sociedade nem em massagear meu ego, mas em não atingir minha capacidade, não fazer aquilo que é acessível aos meus limites, não realizar a ação de totalidade que posso.
Mergulhar dentro do texto e jogar pra cima as palavras certas, que encontram meu espírito, de nada me adiantam se aquilo que leio não produzir em mim vontade de exprimir o meu, de revelar meu ser em minha obra, em meu texto.  Minha crise é em não conseguir absorver o suficiente para gerar um novo.  Minha crise é ‘minha’ e nada do que escuto resolverá porque a solução partirá de dentro pra fora, no/do que entendo para o que faço, (quem sabe, talvez, algumas carícias me ascendam).
Entretanto as minhas crises são sobre métodos, momentos e não quanto àquilo que sou, pois a árvore é conhecida pelo seu fruto, a goiabeira pode ter crises quanto a sua ramificação, seus galhos e caule mais nunca quanto a ser goiabeira porque ela produz goiaba. Sou totalmente livre e sujeito a ter diferentes formas de crises, embora se não conhecer, se não conseguir ver/identificar meus frutos a crise é bem mais profunda e continuar não é suficiente para resolvê-la, mas zerar é necessário e a mudança radical dói e exige esforço.
Não me resolvo com algumas doses, embora as tome, nem com uma noite de sono, já que não consigo dormir em crise, nem com alguém bonita na cama, embora não repudie nunca, me resolvo me aprimorando, me melhorando, produzindo aquilo que sei fazer bem, em ordem natural, sem forçar o curso da minha criatividade, frutificando em todos os meus ramos, na compreensão de que sou enxerto, por isso não há crises quanto àquilo que sou, e produzo variedade de frutos dentro da vida. Minha crise é resolvida quando entendo que meu apogeu é o presente e que a gradação sempre vai acontecer e entendendo isso posso conceituar que estou/sou pleno, mas apto a melhor, a desenvolver, até porque meu objetivo não é conhecer cada minucioso canto do mundo, mas lograr bem daquilo que já conheço dele.

1 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB