Enquanto dança diz

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012 1 comentários

Vou ficar de longe pra te contemplar
Vou ficar de perto pra te sentir
Vou te tocar, te adentrar pra te conhecer
Vou te levar no peito
Internalizar-te e me interpenetrar em ti
Vou te ascender pra mim e te apagar pros outros
Pra que se aqueça somente comigo
Vou te morder pra te marcar a pele
E te beijar pra te marcar a alma
Vou te jurar o amor pra te marcar a memória

O muito que eu me esforçava pra te dar
Acreditava que era pouco que recebias
Na verdade era tudo que querias

E como amar as outras senão a ti
As outras são vazias naquilo que quero
E naquilo que tu podes me dar
As outras são cruas diante da sua luz
E há escuridão em mim pra dissipar

Refaço-me depois do impacto do tempo,
Desfaço-me depois do dia turbulento,
Acho-te quando bem preciso teu alento

Porque em mim e para ti
O amor é como um pêndulo,
Mesmo que a vista o perca
Entre a neblina dos sentimentos confusos
Ele sempre volta a nós, para nós
Em clareza com sua pura luz

1 comentários:

  • Loridane disse...

    Amor puro, sem interesse ou espera de recompensa.

    Mordidas que marcam a pele e beijos que marcam a alma. Gostei, esse último anda escasso.

    Mesmo que for confuso, se cultivado não perece.

    Cresce, desenvolve e vem cheio de respostas. E novas perguntas, claro.

    Finalmente a visita que estava devendo. Agora volto mais vezes.

    =)

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB