Beatriz

domingo, 22 de janeiro de 2012 2 comentários



Veja o sol
Se apaga no oriente já vai se deitar
Não há nada mais tranquilo que a brisa que vem do mar
Não há nada mais bonito que a luz do horizonte em teu olhar
Não há que me faça desistir de acreditar
Que o amor vem em nós reinar

Em meios as ironias te fiz perceber
Que sempre havia algo que eu queria dizer
Mas sua voz sufocava a minha
Seus sarcasmos eram minhas armadilhas

O meu peito não foi feito pra pancas
Feito corpo minha alma desenvolve cicatriz
A marca em mim gravada é teu nome
Beatriz

Veja só
Meu algoz são as lembranças de como começou
Que foi eu que insistiu pra esse nosso amor
Quando no amor nada se insiste, ele flui

Eu dizia uma paixão se medidas
Quando nada é imensurável
Inclusive o amor
Quem diz não haver medidas
Não sabe se orientar
A medida do meu amor
É o quanto eu posso suportar

O meu peito não foi feito pra pancas
Feitocorpo minha alma desenvolve cicatriz
A marca em mim gravada é teu nome
Beatriz

2 comentários:

  • Contradita disse...

    Somos em grande parte as marcas deixadas em nossa alma, em memória, em nossa pele.

    E a medida do amor é o quanto nos faz querer cultivar. Enquanto existe esse cuidado, ele pode ser sem medidas.

    Revirando, renovando.

    Beatriz, Ana, Fernanda, Leonardo, Caio, Bruno ...

    Só olhar atentamente, por nossas extremidades estão as letrinhas.

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB