Zé Ramalho - Vila do Sossego

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011 0 comentários

A indicação é a música Vila do Sossego de Zé Ramalho, uma linda canção. Não é preciso explicar essa música, apenas ter atenção no título e em cada verso que desembaraça o enredo de uma longa história que cada um podemos imaginar.






Vila do Sossego
Zé Ramalho


Oh, eu não sei se eram os antigos que diziam
Em seus papiros Papilon já me dizia
Que nas torturas toda carne se trai
Que normalmente, comumente, fatalmente, felizmente,
Displicentemente o nervo se contrai
Oh, com precisão

Nos aviões que vomitavam pára-quedas
Nas casamatas, casas vivas, caso morras
E nos delírios meus grilos temer
O casamento, o rompimento, o sacramento, o documento
Como um passatempo quero mais te ver
Oh, com aflição

Meu treponema não é pálido nem viscoso
Os meus gametas se agrupam no meu som
E as querubinas meninas rever
Um compromisso submisso, rebuliço no cortiço
Chame o Padre "Ciço" para me benzer
Oh, com devoção

0 comentários:

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB