Pular para o conteúdo principal

As pessoas que decidimos não existirem


Não considere a imagem antes de ler o texto!









As pessoas que decidimos que não existem estão bem nas nossas frentes. Moro a uma distância do meu trabalho, que fica no centro da cidade, que me permite ir a pé, e sempre que saio de óculos escuros e o Smartphone na mão aumenta a probabilidade de me chamarem à atenção para me medirem dinheiro, embora eu tenha usado por várias vezes os óculos como máscaras pros olhos pra fingir que não os vi e passar despercebido, ato que ninguém julga como alienação porque quase todos agem do mesmo jeito.
Há algum tempo quando saia do banco em um dia de chuva o meu pré-conceito sobre moradores de rua mudou radicalmente, saímos eu e uma pessoa quando uma mulher, moradora de rua (e não vou chamá-la de mendiga, porque isso se tornou pejorativo e nenhuma pessoa nasceu pra isso) estende a mão em nossa direção e diz a pessoa que saio comigo: “moça, ajuda com alguma coisa” e a resposta saiu como um reflexo àquilo que aparentemente era um pedido fácil de ser concedido, o que muitos de nós repetimos a eles por inúmeras vezes, “não tenho” sem ao menos a olhar nos olhos, e depois escuto: “ela pode trabalhar”, mas o que todos ali ignoraram é que ela tinha uma criança nos braços, quando aquela criança levantou sua mão acariciando o rosto da mãe e a mãe a beijou meu peito apertou e a garganta doeu, segurei um choro, tinha pouca coisa no bolso e entreguei àquela mulher que quando me olhou nos olhos me apresentou seu mundo de dor e desejos, de fé e tristeza, de pesadelos.
Sempre persuadia a não os ajudarem por acreditar que isso os motivava a não mudarem seu estilo, pensamento tolo. Sempre jogava a culpa no governo, e realmente é, mas esperava que eles agissem contra isso, outra grande tolice, porque assim como muitos o governo finge que eles não existem, até porque se algum candidato político lançar como proposta tirar as pessoas da rua seria uma campanha fraca porque pouquíssimos se importam. Minha reflexão foi a respeito de que se eu abrir mão de uma noite social dou a uma pessoa pelo menos duas refeições descentes na semana, você pode confiar e entregar seu dinheiro ou fazer como uma amiga faz, pedir pra que compre onde ela esteja perto e ela pagar. Os moradores de rua nem sabiam das minhas razões por não ajudar, não dão a mínima se a culpa é da sociedade ou do governo, eles apenas têm fome e frio e muito além disto têm sentimentos e desejos, não consigo imaginar se têm paixões, mas são pessoas, pessoas, vivas, humanas!
Não vamos conseguir acabar com a miséria do mundo, não vamos conseguir ajudar a todos que encontrarmos, mas isso não nos serve de desculpa e nem é argumento pra não ajudar nenhum. Por favor, não pense se são pessoas boas ou más, não os veja como lixo, não tenha vergonha de ser abordado por um morador de rua em publico, não os difame, não os julgue, olhe e veja pessoas que precisam de ajuda de outras pessoas, ajude. Imagine que em uma situação diferente, fora da miséria, aquele morador seria um bom cidadão e talvez seu amigo. Enxergue a humanidade dentro dele e não a circunstancia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agrura

Confidências de traição Sussurros na escuridão E lágrima solitária caía
O começo de sua maldição Lembranças de uma ilusão Enquanto ali sentado ele apenas via A vida passar
Sentimentos de confusão Lhe perturbam o coração E a alma tão escondida vazia
A alegria em morbidão Fragmentos de uma paixão Enquanto ali bebendo ele apenas via A vida passar
Seu algoz eram suas mãos Só errava em cada decisão As lembranças só lhe causavam grande agonia
Seu tormento em profusão Derrotado em seu próprio chão A esperança morta em seus braços E ele nem sabia
Enquanto ali parado ele apenas via A vida passar

O silêncio era um grito então O seu corpo escória e prisão Da alma moribunda que já nem sentia
Mergulhado em sua solidão Pensamentos de aflição Agonizando no peito a alegria
Enquanto ali chorando ele apenas via A vida passar
Palavras não curavam A dor que ele sentia A morte lhe tentava  Mas o orgulho lhe impedia Então quis rezar E acreditar Que Deus ouviria

Minha menina

Por traz desta nuvem cheia de raios Existe um olhar Cheio de lágrimas
Sorriso maduro, um céu de veludo O sol se põe a descansar E minha menina vem dançar Na chuva
Vai que o mundo é Teu Gira sem se preocupar As águas que caem Lhe molham o rosto E levam as lágrimas
Por traz dessa esfera Menina tão bela Existe um coração a palpitar
Se lança no escuro, não se sabe o rumo Tem medo, precisa se arriscar Minha menina Sozinha
Vai que teu segredo é meu Vai que eu fico a te esperar As águas que caem Levam teus passos Mas não levam o meu olhar
Os passos são dela A vida que espera Minha menina vai buscar
Não olha o passado, não vê nada errado Há dores que tem que carregar Minha menina Partiu
Vai que teu sorriso é meu Vai te espero se voltar As águas que caem Molham teu corpo Levam minhas lágrimas.

Lembranças

Este texto só dará certo se você ainda lembrar
Quero voltar na noite em que te conheci Quero voltar e viver as emoções que senti Quero voltar no momento onde toquei tuas mãos E beijei tua face pela primeira vez
Quero voltar no momento onde entrei no teu olhar Quero voltar quando o meu sorriso respondeu ao teu Quero voltar onde disse pela primeira vez: amo você
Deus escreveu nossa história nas linhas do tempo E resolveu publicá-la Em nossos corações
Onde as muitas águas não afogam Onde as chamas não consomem em fogo Onde não se perde com o vento e tempo Onde o homem não rouba nem mata
Acordei com o sabor de lembranças amargas e alegres na boca: Pudim de limão!
É sempre bom lembrar, olhar para trás nos faz comparar passado e presente e ver o quanto amadurecemos, também é bom pra idealizarmos o futuro pra entender o quanto ainda precisamos nos aprimorar, ver e entender todo o desenvolvimento da nossa vida, identificar a gradação de nosso destino e talvez aumentar nossa fé nos sonhos de fu…