A gente faz

segunda-feira, 21 de novembro de 2011 1 comentários
       

           Temos um grande poder em nossas mãos: a força da influencia, não que as pessoas que estão a nossa volta sejam boas ou ruins por nossas ações, mas podemos levar alguém a agir bem ou mal por aquilo que fazemos, podemos sim mudar uma história. Bem, nunca me senti muito confortável para escrever um texto de caráter tão pessoa onde eu não me reflita apenas em uma metáfora, mas hoje estive lendo um texto da Camila Lourenço (http://camilalourencomorena.blogspot.com/2011/11/vomitando.html#comment-form) que muito me inspirou e quero compartilhar uma experiencia. Durante muito tempo eu fui agnóstico, depois de uma revolta muito grande me tornei ateu de vez (http://cloneseoriginais.blogspot.com/2011/06/o-mito-que-se-alto-destroi.html), então em um processo de maturidade pude entender a verdade do que é Deus e seu sentido, então passei a ensinar um Evangelho puro e simples, uma realidade dentro do mundo, sem fantasias, sem descriminações e revelando que nem tudo é pecado como dizem. Com uma palavra sempre firme, convicta e sempre entrelaçado com a música, um pastor de uma igreja local estava passando por alguns problemas com sua equipe e me conhecendo me convidou para participar com eles para tentar resolver as questões, ali eu desfiz o que estava feito e refiz uma nova visão com novas conclusões, alterando o estilo de vida daquele povo. Além de ensinar me preocupei em ter uma liderança que não apenas dissesse, mas que na maioria das vezes mostrasse, pra que eles não fossem diferentes, mas iguais.
         Passando por experiencias boas, vivendo a prática, enxerguei a possibilidade de viver um mundo melhor, talvez não como um todo, seria utopia um pensamento assim, mas pelo menos à minha volta, por onde eu passe e isso não quer dizer que meu mundo deve ser pequeno,eu posso englobar dentro dele, manter perto de mim quem eu ache interessante, sadio, uma quantidade de gente ilimitada. Como vimos no texto da Camila, há momentos de tristezas e alegrias assim como há momentos bons e ruins, passar por eles com sinceridade é o que vale, fazendo as caras feias e dizendo as maldisses de mal humor, sem ter a menor preocupação de assustar quem está perto, de transparecer ser uma pessoa ruim, porque as pessoas que estarão perto de você te conhecem bem, sabem qual são seus momentos de lucides ou de extravaso ou simplesmente um dia de raiva, pessoas que conhecem bem porque nós agimos em sinceridade o tempo todo, um sorriso fingido é muito pior que gritar "eu te odeio", porque é ilusório e não há nada mais dolorido do que ser iludido.
       Vislumbrar uma oportunidade de encontrar sinceridade e de um mundo melhor começa com uma atitude singular, porque há mundo bem melhor: o meu mundo, a minha vida e minha realidade de cotidiano, depois passa pra quem está perto, fazer o bem nunca sai de moda, embora a maioria queira seguir outras tendências. Pra terminar faço menção à poesia de Elisa Lucinda que por si é uma grande influencia


Só de Sacanagem
Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar: malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, do nosso dinheiro que reservamos duramente pra educar os meninos mais pobres que nós, pra cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais.
Esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais.
Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta à prova?
Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem pra aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração tá no escuro.
A luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e os justos que os precederam:
" - Não roubarás!"
" - Devolva o lápis do coleguinha!"
" - Esse apontador não é seu, minha filha!"
Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar. Até habeas-corpus preventivo, coisa da qual nunca tinha visto falar, e sobre o qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará.
Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear: mais honesta ainda eu vou ficar. Só de sacanagem!
Dirão:
" - Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo o mundo rouba."
E eu vou dizer:
"- Não importa! Será esse o meu carnaval. Vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos. Vamos pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o escambau."
Dirão:
" - É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal".
E eu direi:
" - Não admito! Minha esperança é imortal!"
E eu repito, ouviram?
IMORTAL!!!
Sei que não dá pra mudar o começo, mas, se a gente quiser, vai dar pra mudar o final.

1 comentários:

  • Camila Lourenço disse...

    Perfeito!
    Vc resumiu!
    Me senti honrada por vc ter não só citado meu texto mas por vc ter se sentido impulsionado através dele a escrever algo tão seu.

    Obg por compartilhar e obg por relembrar essa poesia da Lucinda.

    Bjo

Postar um comentário

Sem contemplação, o interessante é a participa-ação, Comente bem

 

©Copyright 2011 O narrador | TNB